“A Helena Sarmento não é a 2ª Amália, nem a 3ª Hermínia, nem a 4ª Fernanda Maria: é a 1ª Helena Sarmento. (…) Ouvimos fados tradicionais, cantados já por tanta gente, mas temos a sensação de eles estarem a ser reinventados, temos a sensação do novo.”
Rui Vieira Nery, musicólogo


“Helena Sarmento afirma-se, pelo estilo próprio, voz singular, repertório original, comunicabilidade envolvente, uma referência nesse movimento já irreversível. O seu presente CD (FADO AZUL) coloca-a, a partir de agora, na primeira linha dos fadistas fadados para puxar-nos o futuro.”
Fernando Dacosta, escritor e jornalista


“(...) No último dos temas de Fado Azul, Fado Intervenção, fica resumido parte do valor acrescentado que aqui se descobre: sem descurar a tradição, abrem-se portas a uma atitude de combate (que não esquece a ternura) e de luta pela mudança (que não ignora as regras). É um disco de particular coerência, que vai obrigar ao regresso constante.”
João Gobern, jornalista, a propósito de FADO AZUL


“Os arranjos continuam simples, a selecção mantém-se soberba, as novidades arrebatam (“Sem-Abrigo” ou o antológico “Porto-porto”), as versões convencem (de “Formiga Bossa Nova” a “O que tinha de ser”). Tudo porque a inquietação da fadista amadureceu, mas não baixou a pulsação. Continua ao compasso do coração, apaixonado.”
João Gobern, jornalista, a propósito de FADO DOS DIAS ASSIM

 

helena sarmento nasceu a 23 de Agosto de 1981, em Lamego. A partir de 2004 radicou-se no Porto. Em 2014 atravessou mais uma margem e é em Gaia que desde então se encontra o vértice do seu olhar.
Licenciada em Direito, divide a sua vida entre a advocacia e a música que sempre lhe habitou a alma. Quando descobriu Amália, o fado tomou-lhe conta da vida, como um raro amor para sempre.
Mas o Fado não é apenas um feitiço; é um segredo que quanto mais se canta mais se conta e mais secreto fica. Perceber-lhe o sentido, a importância e a forma como nele se vive demorou-lhe a distância dos anos necessários até à descoberta de um caminho próprio.
 Por dentro do Fado guardou sempre lugar para outras expressões musicais que a comprometem com a vida. Nessa medida, participou activamente, enquanto cantora, no âmbito do projecto “80 anos de Zeca” (2011), designadamente no concerto evocativo do último concerto de Zeca Afonso, no Coliseu do Porto, no projecto “Amigos Maiores que o Pensamento” (2012) e no concerto “Enquanto há força”, na Casa da Música (2013).
Em 2011 editou o seu primeiro disco, FADO AZUL. A maior parte das 13 faixas reportam a fados clássicos ou tradicionais, cantados com palavras novas, escritas especialmente para si; as palavras que, se soubesse escrevê-las, seriam as que quereria cantar. O CD integra, ainda, dois covers de ícones maiores do panorama cultural/musical português, suas referências incontornáveis: Amália Rodrigues e José Afonso.

Helena Sarmento acredita em estrelas, na intensidade dos sonhos e no Fado.
Em 2012, através da Sunset France, FADO AZUL foi editado em França, chegando à Alemanha, Áustria, Benelux, Espanha, Itália, República Checa, Reino Unido, Suíça, Estados Unidos, Hong-Kong e Japão.
Em 2013 Helena Sarmento lançou a sua 2º edição independente, FADO DOS DIAS ASSIM, que aprofunda e densifica o que FADO AZUL, seu disco de estreia, já prometia.
A voz libertou-se e deu de novo as mãos às palavras, num propósito de coerência que mais do que um projecto no Fado, é uma forma de estar na vida, disso se fazendo fado.
joão gigante-ferreira, Joaquim Sarmento, José Afonso, Alexandre O'Neill, Vinicius de Moraes e Manuel António Pina são os autores dessas palavras, para os dezasseis temas que compõem FADO DOS DIAS ASSIM.
O conjunto mais significativo de temas do FADO DOS DIAS ASSIM reporta-se a fados tradicionais, servidos inteiramente por palavras novas escritas para si.
A partir do dia 23 de Setembro de 2014, o disco FADO DOS DIAS ASSIM estará disponível em França e, tal como o seu primeiro disco, FADO AZUL (de 2011) segue também para o resto do Mundo pela mão da Sunset France.
No Reino Unido estará em distribuição apenas a partir do dia 29 de Setembro, constando do catálogo da Harmonia Mundi Distribution. No Japão, a partir do dia 20 de Setembro (ainda antes de Paris), através da Tower Records.

 

“Helena Sarmento is not a second Amália, neither a third Herminia, nor a fourth Fernanda Maria: she is the first Helena Sarmento.” “We listen to traditional fados, already interpreted by so many singers, but with Helena we feel they are being reinvented, we have the sense of something new.”
Rui Vieira Nery, musicologist


“Helena Sarmento stands out for having her own style, a unique voice, an original repertoire, an engaging ability to communicate; she is a reference in this already irreversible path. This CD places her, from now on, in the forefront of the fado singers who are destined to drive us towards the future.”
Fernando Dacosta, writer and journalist


“(...) The last track of Fado Azul, Fado Intervenção, sums up a bit of the added value that we discover here: without overlooking tradition, it is open to a combative position (that doesn´t forget tenderness) and to a fight for change (that doesn´t ignore the rules). It is a particularly coherent album, which will compel us to a constant revisitation.”
João Gobern, journalist and music critic, concerning FADO AZUL


“The musical arrangements remain simple, the tracklist remains superb, novelties are overwhealming ("Sem-Abrigo" or the remarkable "Porto-Porto"), and the covers are convincing (from “Formiga Bossa Nova" to "O que tinha de ser") . And that´s all because the restlessness of the singer has matured, but has not lowered the pulse. She still follows the beat of her heart, with passion.”
João Gobern, journalist and music critic, concerning FADO DOS DIAS ASSIM


Helena Sarmento born on the 23rd August 1981. She currently lives and works in Porto, one of the cities she holds very close to her heart. She is a lawyer, but besides law she renders her life to music, which has always inhabited her soul. By the age of thirteen she was the lead singer of Clepsidra, a pop-rock band. However, when she discovered Amália, Fado took over her life forever, as an eternal rare love. But Fado is not only a spell, it is a secret: the more you sing it and tell it, the more intimate it becomes. To realize its meaning, its importance and the way to live it, took her the distance of years to discover her own path. Inside Fado she always kept place for other musical expressions that commit her to life. To that extent, she has actively participated as a singer in the project "80 years of Zeca” (tribute to José Afonso), namely in the evocative concert of the last concert of Zeca Afonso, in Oporto Coliseum, and the project “Friends Larger than Thought " (tribute to José Afonso and Adriano Correia de Oliveira). In 2011 Helena released her debut album, FADO AZUL (portuguese for “Blue Fado”). Most of the 13 tracks are classic or traditional fados that she sings with new lyrics, especially written for her and expressing the words she herself would write, the words she wanted to sing and convey. Fado Azul includes also two covers paying homage to major icons of the Portuguese music/culture and ineluctable references for Helena: Amália Rodrigues and José Afonso. Helena believes in stars and in the strength of dreams. In the year that Fado is acknowledged by the UNESCO as Intangible Cultural Heritage of Humanity, Fado Azul is edited in France, in February 2012, and will thus arrive in Germany, Austria, Benelux, Spain, Italy, Czech Republic, United Kingdom, Switzerland, USA and Japan. 2013 – Year of “Dias assim”

On March 25, 2013, Helena Sarmento released her 2nd independent edition, FADO DOS DIAS ASSIM (portuguese for “Fado of days like this”), which deepens and densifies what FADO AZUL, her debut, already had promised. The voice set free and held hands with the lyrics consistently, because for Helena consistency is more than an aim within Fado, it is a way of living which becomes a Fado. joão gigante-ferreira, Joaquim Sarmento, José Afonso, Alexandre O'Neill, Vinicius de Moraes and Manuel António Pina are the writers of the lyrics of the sixteen tracks in FADO DOS DIAS ASSIM. The most significant set of songs of FADO DOS DIAS ASSIM refers to traditional fados, completed with new lyrics written for Helena; the entirely original themes are composed by Samuel Cabral (“Porto-Porto”, lyrics by joão gigante-ferreira), Tino Flores (“No reino das formigas”, lyrics by joão gigante-ferreira) and Paulo Rodrigues (“Saudade da prosa”, lyrics by Manuel António Pina).

The first single, FADO ARITMÉTICO (lyrics by joão gigante-ferreira, song written by Carlos Gonçalves), resulted in an extraordinarily funny and unique way of talking about that really serious thing that is Love. Two of the videoclips of the disc, SAUDADE DA PROSA and DESPEDIDA (HOSPÍCIO), shot in Gaia by Frederico Corado, take palce in an old factory of spinning cotton, with ruined memories, where beauty grows upon chaos and neglect. This scenario reflects the conceptual dimension of FADO DOS DIAS ASSIM and it was also used as basis of all the graphic design of the album (photography by André Henriques and graphic design by Ricardo de Almeida).

Top of Page